• Rita Patron

Japandi, o estilo que vem conquistando espaço

Atualizado: há 6 dias

Japandi é uma nova linha em interiores que mistura o melhor da influência japonesa com a escandinava. É o resultado da confluência de duas filosofias de vida baseadas em valores semelhantes, e apesar de suas diferenças, deu origem a uma linguagem única. A harmonia zen do estilo japonês se funde com o aconchego nórdico, que resultam em uma maneira distinta de pensar, criar e viver os espaços interiores.

Fonte: Basq

Para entender completamente a origem dessa fusão inesperada, é preciso mergulhar na história e analisar os laços estreitos entre o país do sol nascente e a Dinamarca. Ao fazê-lo, encontram-se evidências de um intercâmbio entre as áreas de design e arquitetura de ambos os países há mais de 150 anos. Uma espécie de emulação recíproca e respeitosa entre oriente e ocidente que, hoje, conquista todos os amantes do Zen e do minimalismo. O aumento do interesse por espaços clean uniu estas propostas que prega a beleza na imperfeição, e que se refere a aceitar que o belo é imperfeito.


O interior das casas escandinavas é, acima de tudo, confortável e acolhedor, privilegiando a utilização de tecidos suaves e aveludados, apostando nas cores claras e neutras. O mobiliário é composto por móveis de madeira ou materiais com acabamentos minerais. Razão pela qual prevalecem as peças artesanais e os elementos naturais que são mais conectados à terra.

Fonte: Casa Interior Design

Já os interiores japoneses, utilizam cores mais intensas, enquanto o mobiliário é caracterizado por linhas elegantemente trabalhadas ou mesmo esculpidas, valorizando especialmente o artesanato e as técnicas ancestrais, com um grande apreço por objetos com história que perdura no tempo. Como, por exemplo, o Kintsugi, uma técnica de restauração surgida no século XV, que destaca o valor dos objetos quebrados, transformando imperfeições em obras de arte.

Fonte: Homecrux

O movimento japandi surgiu em 2017 e se diferenciou claramente da cultura wabi-sabi* e da decoração hygge*, das quais tem influência. Do Japão, o estilo preservou o culto da natureza imperfeita e o requinte que só a passagem do tempo pode conceder. E dos interiores escandinavos, manteve o minimalismo, o gosto pela simplicidade e a crença no essencial.

Este movimento têm um princípio muito atual: o respeito pelo meio ambiente. O modelo eco-responsável é um dos pilares dessa tendência que, hoje, constitui uma importante referência para designers, arquitetos e decoradores de todo o mundo.


Wabi-sabi: filosofia que prega a beleza na imperfeição, e que se refere a aceitar que o belo é imperfeito.


Hygge: Seu principal objetivo é transmitir conforto, paz e bem-estar para a rotina. O termo serve para descrever diversas situações do cotidiano, que podem ser desde tomar um chocolate quente com amigos até ler um livro.